Melhor preço garantido

Penthouse com terraço

São 4 apartamentos com áreas entre os 40 e os 70 m², no topo dos edifícios, com grandes terraços privativos e com uma bonita vista sobre Lisboa, com sala de estar e de refeições e cozinha totalmente equipada, capacidade para duas pessoas. Os apartamentos desta tipologia estão localizados nos dois edifícios.

Apartamento Ary dos Santos (502)

Tamanho: 39m² (+ 24m² de Terraço)
Capacidade: 2 adultos (1 cama de casal grande)
1 berço grátis para criança até 3 anos
Localização: 4º Piso traseiras
Apartamento completamente equipado, com serviço gratuito de 2 em 2 dias de troca de toalhas, recolha de lixo e pequena limpeza.
Apartamento
 
Internet sem fios gratuita! Partilhe a experiência com amigos e familiares através do Facebook ou WhatsApp!
Wi-Fi
 
Sozinho, com amigos ou em família. Fale connosco para soluções personalizadas.
Hóspedes:
2 adultos
Televisão por cabo até 40 canais.
Televisão
 
  • Casa-de-banho privada com duche
  • Secador
  • Amenidades da Saboaria Portuguesa
  • Roupa de cama em puro algodão Percall
  • Toalhas em 100% algodão
  • Ar condicionado
  • Internet wifi grátis
  • Televisão LCD com canais por cabo
  • Cofre grátis
  • Rádio
  • Leitor de CD
  • Kitchenette totalmente equipada
  • Frigorifico
  • Máquina de café/Chá
  • Micro-ondas
  • Máquina de Lavar Louça
  • Placa de fogão
  • Torradeira
  • Chaleira Elétrica
Quem foi Ary dos Santos:

José Carlos Pereira Ary dos Santos (1937-1984), nasceu em Lisboa e foi poeta e declamador português.

Com apenas catorze anos publicou os seus primeiros poemas. A sua verdadeira estreia literária acontece com a publicação de A Liturgia do Sangue (1963). Em 1969 adere ao Partido Comunista Português e após o 25 de Abril, torna-se um ativo dinamizador cultural, percorrendo o país de lés a lés.

É através da música que chegará ao grande público. Ficou na história da música portuguesa por ter escrito os poemas de quatro canções vencedoras dos Festivais da Canção Portuguesa. Autor de mais de seiscentos poemas para canções, escreveu para vários fadistas, entre eles, Amália Rodrigues e Carlos do Carmo. Notabilizou-se também como declamador.

Depois de falecer, o seu nome foi dado a um largo do Bairro de Alfama, descerrando-se uma lápide evocativa na fachada da sua casa, na Rua da Saudade, onde viveu praticamente toda a sua vida. A sua obra permanece atual e os grandes cantores continuam a interpretar canções com as suas letras.

Ary dos Santos (1937 – 1984)